Sipe

INTRODUÇÃO
Metodologias e ferramentas que facilitem os processos de inovação em suas várias etapas são abundantes há décadas. Recentemente, já no século XXI, novidades como o envolvimento dos beneficiários finais ao longo de todo o processo de inovação, fazendo deles o centro dos esforços de criação, surgiram sendo o Design Centrado no Ser Humano ou HCD para o acrônimo em inglês mais difundido mundialmente.

O sucesso da Ideo, empresa de design norteamericana que desenvolveu e usa o HCD para produzir novos produtos, serviços, experiências digitais, projetos organizacionais e sistemas completos tem promovido a difusão ampla dessa metodologia.

O HCD é composto de 3 fases: inspiração, ideação e prototipação.

A fase de inspiração tem o propósito de exploração ampla, por diversos pontos de vista, do desafio que se quer solucionar, focalizando precisamente qual é o problema em questão. A empatia com os beneficiários é fundamental. Sua participação nesta fase é imprescindível.
A fase de ideação visa a produção de soluções criativas, as mais inovadoras possíveis, para superar o desafio proposto e, finalmente, a prototipação serve para testar as ideias, para aprender com os erros e acertos e avançar com segurança para o desenvolvimento do projeto.

Após realizar alguns projetos com HCD, nós do LabTAR ficamos convencidos de que essa é uma metodologia muito poderosa para nossos propósitos de promover a participação em processos de inovação e o empoderamento dos nossos parceiros em projetos para inovar. Apesar da força da metodologia de forma geral, achamos que na fase de ideação, baseada apenas em brainstorming e seleção das melhores alternativas, poderíamos experimentar o uso de ferramentas de Inovação Sistemática, um processo de geração de soluções criativas com foco na identificação do problema correto e na escolha da ferramenta correta para solucioná-lo.

Tínhamos a hipótese de que os dois funcionariam bem juntos e precisávamos testá-la. A oportunidade surgiu com a facilitação do desenvolvimento de um sistema automatizado de informação da execução musical para o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD), escritório privado brasileiro responsável pela a arrecadação e distribuição dos direitos autorais das músicas aos seus autores.

OBJETIVO

Para o LabTAR, os objetivos eram dois: o teste da utilização conjunta de HCD + Ferramentas de Inovação Sistemática e a transferência de conhecimentos sobre inovação para parceiros não acadêmicos.

Para as duas empresas parceiras do projeto, uma agência de comunicação integrada, a Criativa Propaganda, e uma empresa de comunicação, a TV Vitória, subsidiária da TV Record em Vitória/ES, o objetivo era o desenvolvimento de um sistema automatizado de captura da execução musical da TV e informação da mesma para o ECAD de forma precisa.

Cronograma do Projeto

Encontro Data Conteúdo
#1 15/03/16 Apresentações, alinhamentos e Workshop 1 – Uma introdução ao HCD
#2 22/03/16 Workshop 2 – Fase de inspiração (planejamento e execução de entrevistas)
#3 29/03/16 Workshop 3 – Fase de ideação (compartilhamento das entrevistas)
#4 05/04/16 Continuação do Workshop 3 – Ideação (compartilhamento das entrevistas e criação de temas)
#5 12/04/16 Workshop 4 – Fundamentos da Inovação Sistemática, Análise de Benefícios e Análise de Hierarquia
#6 19/04/16 Workshop 5 – Mapa de percepções, Análise de Função, Nove Janelas e Curva S
#7 26/04/16 Workshop 6 – Ferramentas de Solução e Resultado Final Ideal
#8 03/05/16 Workshop 7 – Consolidação da Ideia e prototipação
#9 10/05/16 Workshop 8 – Modelo de Protótipo, reflexões e aprendizados
RESULTADOS ALCANÇADOS

O projeto obteve resultados extremamente positivos. Todo o ciclo do processo foi completado e a equipe chegou em um protótipo não funcional que atendeu às exigências do desafio e superou as expectativas dos parceiros do LabTAR quanto ao aprendizado adquirido e ao resultado alcançado. O nível de idealidade da solução foi ponderado pela exequibilidade do projeto. Como a solução foi desenvolvida com a contribuição dos beneficiários intermediário (agência de comunicação) e final (empresa de televisão), um grande ganho foi termos chegado a uma solução da qual todos os participantes sentiam-se ‘donos’.